12/08/2017 às 11h11 - Atualizado em 12/08/2017 às 17h56

Hoje é o segundo dia de festa do terreiro Vó Maria e Rainha Maria Padilha das Almas

Leopoldo Barentin

BIGUAÇU


Neste sábado acontece o segundo dia da grande festa do terreiro da Vó Maria e Rainha Maria Padilha das Almas, localizado na comunidade de Sorocaba de Fora, no interior de Biguaçu. Para saber mais sobre esta festividade deste ano o Jornal Razão conversou com Mãe Cleusa, a “guia espiritual” que incorpora a referida “entidade”, a qual nos prestou os seguintes esclarecimentos:

Razão: Quem é a Mãe Cleusa?
Mãe Cleusa:
Nasci em 04 de dezembro. Sou uma mulher poderosa, que leva a religião muito a sério e com muito amor.

Razão: Desde quando a senhora incorpora a Rainha Maria Padilha das Almas?
Mãe Cleusa:
Desde os seis anos de idade. Foi o fato mais marcante da minha vida, quem conhecer minha história saberá disso.

Razão: Quem foi a Rainha Maria Padilha?
Mãe Cleusa:
Ela e outras pombagiras que são do passado nos trazem energias e radiações que hoje em nossas vidas nos confortam.

Razão: A senhora incorpora a entidade sempre que quer ou é ela que manifesta o desejo de incorporar?
Mãe Cleusa:
Eu amo ela e ela me ama, então são desejos de almas gêmeas do lado espiritual, são desejos duplos.

Razão: Como ocorre o ritual de incorporação?
Mãe Cleusa:
Ah, é uma grande concentração e precisa estar com a alma limpa e a matéria pura para acontecer uma incorporação boa. E assim os espíritos trazem grandes confortos espirituais para mim e para os visitantes.

Razão: Que trabalhos a senhora realiza quando está sob as ordens de Rainha Maria Padilha das Almas?
Mãe Cleusa:
Todos os tipos de rituais, para o financeiro, amoroso, político e também para muitos que desejam mudar de País, entre outras situações.


Razão: O que uma pessoa precisa para solicitar e conseguir a intervenção de Rainha Maria Padilha das Almas?
Mãe Cleusa:
É acreditar naquela imagem que a pessoa está vendo. Naquele momento que a pessoa vê começa a sentir radiações espirituais. Toda religião é muito boa, mas vai da fé de cada pessoa.

Razão: O que acontecerá nesta sexta e sábado no terreiro da Sorocaba de Fora?
Mãe Cleusa:
Será realizado nos dias 11 e 12 a 17ª festa da Rainha Maria Padilha das Almas, essa mulher muito poderosa do lado espiritual. É um encontro de pessoas que tem fé no poder de quem estaremos reverenciando, ou seja, uma homenagem à nossa rainha.

Razão: Qualquer pessoa pode participar?
Mãe Cleusa:
Sim, o evento é aberto ao povo da religião afro-brasileira e aos simpatizantes de outras religiões. Assim nós procuramos quebrar estigmas e clarear paradigmas.

Razão: Que rituais o público poderá presenciar?
Mãe Cleusa:
Nossos rituais com menos pessoas são feitos em latim. Na época de orações grupos de outros terreiros se unem a nós para fazer incorporações, oportunidade em que realizamos correntes espirituais. Aí surge a caridade desses lindos encontros.

Razão: É fácil chegar ao terreiro onde acontecerá a festa?
Mãe Cleusa:
Pra quem mora no Vale do Rio Tijucas e Costa Esmeralda o caminho mais prático é atravessar a ponte, no sentido Florianópolis, seguir até o Pernambuco e depois ao Timbé. Na sequência passa o morro do Timbé e prossegue por alguns poucos quilômetros pela estrada que leva a Biguaçu, até encontrar algumas casas pintadas de amarelo e vermelho. Fica logo após a Igreja Católica da Sorocaba de Fora, bem em frente a uma escola que está abandonada. Se não achar é só perguntar nas redondezas, pois toda a comunidade sabe onde fica. Estaremos lá, de braços abertos, esperando os atuais e futuros devotos da Rainha Maria Padilha das Almas.

Razão: Que mensagem a senhora deixa para as pessoas que tem curiosidades em conhecer as atividades de um terreiro de Umbanda?
Mãe Cleusa:
Uma religião que as pessoas que não conhecem é bom conhecer, pois nos deixa com a alma limpa, energias boas e muitos confortos espirituais na vida de cada um. Por isso, aconselho e recomendo.

Lorran François Barentin/JR