Narbal, Chris e Pedro

A Regra de Três retrata a família Mueller Andriani e suas descobertas pelo mundo. Uma família formada na estrada há cerca de 15 anos, que juntos já percorreram mais de 70 países em 4 continentes a pé, de bicicleta e de carro. Enfim, uma família de 3, que juntos, respeitando suas diferenças e as do mundo, tentam com simplicidade chegar a um denominador comum.

A incrível história de fé de Irmã Adélia

O porquê poderemos ter uma nova santa brasileira

A incrível história de fé de Irmã Adélia

Seria o Brasil um pais de Santas?

Na simpática e histórica cidade de Pesqueiras, no agreste pernambucano, ficamos conhecendo um pouco da vida de Irmã Adélia, quicas uma futura Santa Católica no meio do sertão brasileiro.

Nas nossas andanças pelo Brasil, na grande maioria das vezes exercendo o ofício de jornalistas, nós vamos atrás de histórias, mas algumas vezes, são as histórias que naturalmente vem em nossa direção. E assim foi na cidade de Pesqueira, no agreste do estado de Pernambuco. Gravando a Paixão de Cristo, no Teatro de Nova Jerusalém, na cidade de Brejo de Madre de Deus (PE) ficamos sabendo da incrível história de irmã Adélia. O ano era 1936, e a pequena Maria da Luz Teixeira de Carvalho (Irmã Adélia) juntamente com sua irmã de criação Maria da Conceição tiveram a primeira visão e contato com a aparição de Nossa Senhora da Graça. Na época a vida era muito dura no pequeno povoado de Cimbres, distrito de Pesqueira. O Cangaço tinha forte presença em toda a região, e a presença de Lampião e seu bando aterrorizava toda a região. Foi quando que pedindo proteção a toda sua família e comunidade, que inexplicavelmente pedras rolaram do alto da montanha no majestoso vale,  e a imagem da Nossa Senhora da Graça fez-se presente as duas irmãs. Na época ninguém acreditou na história. Tentando buscar respostas as irmãs recorreram ao padre alemão José Kehrle, enviado ao local para verificar a veracidade da história. Como falava mal o português, o padre fazia as perguntas em latim e alemão e por intervenção de Nossa Senhora, as irmãs inexplicavelmente respondia em português. As aparições se sucederam, e junto com elas romeiros de todas as partes buscando as bênçãos de Nossa Senhora. Irmã Adélia sabiamente buscou a reclusão em um convento em Recife, e por anos a história fora deixada de lado. Após sua morte em dezembro de 2013, a Diocese de Pesqueira, através da figura do seu bispo Dom José Luiz Ferreira Salles, decide em 2017 reabrir o processo de beatificação e canonização de Irmã Adélia. Segundo palavras do próprio bispo, "O processo perante a Santa Sé esta correndo e respeitando todos os ritos estipulados, para que seja separado o que de fato ocorreu e o que é especulação". Durante todo o complexo e meticuloso processo que foi aberto, vários depoimentos foram colhidos, podendo-se de ante mão afirmar, que muitos dos fatos relatados não só pelas irmãs mas como também por pessoas que atingiram graças ou "milagres", sugerem veracidade. Assim que basta agora a nós brasileiros, que aguardemos toda a conclusão deste estudo, para quem sabe, termos mais uma santa em nossas terras, a exemplo da nossa Santa Paulina. Como a própria Amábile Lúcia Visintainer, uma vez falou, “Nunca, jamais, desanimeis, embora venham ventos contrários". Que assim seja, e que o verbo se faça carne novamente entre nós, num mundo repleto de discórdias, desavenças e desamor...

Aguardamos ansiosos pelo novo Portal do Jornal Razão, para colocarmos esse e outros programas sobre nossa ultima parte de nossa viagem pelo Brasil. Podem ter a certeza e a fé, que a espera valerá a pena. Abraços da Família Mueller Andriani.