Lorran Barentin

Herdeiro da Lenha na Fogueira e diretor do Jornal Razão. "Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade".

Um “cala a boca” muito elegante

Briguinha de ego entre vereadores irritou professora, que não hesitou em pedir silêncio. Com educação, é claro.

Um “cala a boca” muito elegante

Quem nunca levou um esporro de professor que atire a primeira pedra. Nas salas de aula é comum que os docentes precisem, infelizmente, pedir para que os alunos lhe deem a devida atenção.

Crianças. Normal, né? Mas... adultos, não deveriam já terem aprendido a lição? Principalmente se tratando de vereadores. Parlamentares. Eleitos para representar o povo.

A situação que narro acima ocorreu nesta segunda-feira, na Câmara de Vereadores de Tijucas. Na verdade, é bem normal que parlamentares não “parem” para escutar o que seus pares estão falando. Só que a troca de farpas entre Rudnei de Amorim e Nadir Amorim (curioso, né?) em plena sessão da Câmara, desagradou a estreante Consuelo Azevedo.

A Prof Consuelo, com muita elegância, pediu para os nobres parlamentares pararem de discutir paralelamente enquanto ela usufruía do uso da tribuna.

“Quando eu dava aula, eu pedia assim, por favor gente, me escute”, disse Consuelo, que completou: “professora sempre professora, né?”.

Pois é, Consuelo. Que tenhamos mais professores na Câmara de Vereadores.

Aliás, sabe qual o motivo da briga do Rudnei e da Nadir? Será que era pelo trânsito caótico de Tijucas? Será que era pela fila de espera gigantesca para inúmeros procedimentos médicos? Será que era para solicitar o lendário Anel de Contorno Viário ou, então, para perguntar por qual motivo ainda não iniciou-se a obra de pavimentação asfáltica da Avenida Hercílio Luz?

É claro que não. Era por ego. Por um não aceitar o outro dizer que foi quem “conquistou o asfalto do Timbé”. Aliás, já terminaram o asfalto do Timbé?

Já adiantando: não adianta ficarem bravos comigo. Não briguem com a notícia.