15202912083430.png
Capa

EDIÇÃO IMPRESSA


Fundo do Baú

Um tijuquense que muito enobreceu sua terra natal

Em 22 de setembro de 1949, ou seja, há aproximadamente 72 anos, Luiz Gallotti foi empossado ministro do Supremo Tribunal Federal, sendo eleito presidente daquela corte em 1966

Luiz Gallotti foi presidente do Supremo Tribunal Federal

Em 15 de agosto de 1904, época em que nem se sonhava com uma maternidade na região, nasceu em Tijucas Luiz Gallotti, filho de Dona Chiquinha e do Coronel Benjamim Gallotti. Foi um dos filhos mais ilustres da sua terra, orgulhando a família ao longo de uma jornada de muito sucesso e engrandecendo o bom nome de Tijucas em todos os lugares por onde passou.

 Formado com distinção pela Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, iniciou a vida pública em 1927 como Inspetor de Bancos do então Distrito Federal. Naquele mesmo ano foi eleito deputado constituinte de Santa Catarina e a partir daí representou seu estado por longos anos no Congresso Federal. Integrou os mais diversos órgãos e instituições do país e em 1945, no término do 1º governo de Getúlio Vargas, foi nomeado interventor Federal no Estado de Santa Catarina, presidindo as eleições realizadas em 2 de dezembro.

 Em 22 de setembro de 1949, ou seja, há aproximadamente 72 anos, Luiz Gallotti foi empossado ministro do Supremo Tribunal Federal, sendo eleito presidente daquela corte em 1966. Como presidente do Tribunal Superior Eleitoral coordenou as eleições de 03 de outubro de 1955, ocasião em que seu irmão, o senador Francisco Gallotti, disputou o Governo do Estado contra Jorge Lacerda.

 Membro da Academia Catarinense de Letras, eleito em 13 de setembro de 1969, por unanimidade, para a cadeira nº 22, que pertencera ao ex presidente da República, senador Nereu Ramos, tomou posse como Acadêmico em 14 de dezembro de 1971. Recebeu o Título de Professor Honoris Causa da Universidade Federal de Santa Catarina, em 8 de dezembro de 1971, na mesma solenidade em que foi Patrono dos Bacharéis em Direito de 1971.

 Foi aposentado em 16 de agosto de 1974. O Supremo Tribunal Federal, em sessão de 21 do mesmo mês, prestou-lhe homenagem, quando, após a leitura da carta de despedida do Ministro Luiz Gallotti, pelo presidente, ministro Eloy da Rocha, falou em nome da Corte o ministro Oswaldo Trigueiro; pela Procuradoria-Geral da República, o prof. José Carlos Moreira Alves e, pela Ordem dos Advogados do Brasil, o Dr. José Guilherme Villela.

 Faleceu no Rio de Janeiro, em 24 de outubro de 1978. Sua memória foi reverenciada em sessão de 29 de novembro seguinte, expressando o sentimento da Corte o ministro Xavier de Albuquerque, falando, pela Procuradoria-Geral da República, o prof. Henrique Fonseca de Araújo e, pela Ordem dos Advogados do Brasil, o prof. Caio Mario da Silva Pereira.

 Era casado com D. Maria Antonietta Pires e Albuquerque Gallotti e genitor do Ministro Luiz Octavio Pires e Albuquerque Gallotti, que também integrou o Supremo Tribunal Federal.


ULTIMAS NOTÍCIAS

jr.png

| | insta |

Quem somos | Mapa do site | Webmail | Painel de controle

Copyright © 2017 Jornal Razão - Tijucas SC
Todos os direitos reservados.


Whatsapp
(48) 8453-0809


EDIÇÃO IMPRESSA

Sexta, 27 de junho

Capa