10/11/2017 às 14h14 - Atualizado em 10/11/2017 às 14h32

Prefeito Elói protocola pedido de elevado

Após audiência na Assembleia Legislativa de Santa Catarina na segunda (6), ficou determinado que o tema voltaria a ser discutido terça-feira, em Tijucas por representantes da Autopista Litoral Sul e da ANTT.

O encontro aconteceu no gabinete do prefeito Elói Mariano Rocha, onde se fizeram presentes o coordenador substituto da ANTT/SC, Orlei Damasio, o coordenador do posto da ANTT em Itapema, José Alberto Salceda, o superintendente da Autopista Litoral Sul, Paulo Mendes Castro, o coordenador de projetos da Autopista Litoral Sul, Marcelo Possamai, o gerente Jurídico da Portobello, Edson Stringari e o assessor parlamentar do deputado estadual João Amin, Eduardo Sardá.

A polêmica intransigência

Durante a reunião foi discutida a sugestão da Administração Municipal, propondo a resolução dos problemas de acesso à cidade após as alterações realizadas no final do ano passado mediante a portaria 339. Esse expediente deveria ter sido revogado, conforme prometido a congressistas catarinenses e não concretizado.

De acordo com projeto apresentado pelo prefeito e protocolado à Autopista durante a reunião, a melhor alternativa seria a construção de um elevado no km 162, nas proximidades da comunidade Imacol.

“Nosso objetivo é resolver o problema de isolamento daquela comunidade e das empresas instaladas nas proximidades, como a Da Magrinha e, ao mesmo tempo, facilitar o acesso à Cerâmica Portobello que teve sua marginal transformada em via de mão única. Além disso, a obra atenderá o shopping do grupo Tacla e ainda, o município vizinho de Porto Belo, que também sofrerá com o fechamento de um retorno na BR 101, conforme já é previsto pela ANTT”, explicou o prefeito.

Os técnicos da Autopista e da ANTT se comprometeram a analisar a proposta, mas garantiram que é possível de ser realizada.

Desrespeitando a Portobello

A questão do acesso à Portobello, maior polo cerâmico da América Latina e mola propulsora do desenvolvimento regional, grande responsável pela geração de mais de 2.000 empregos diretos e milhares de indiretos, além de responder por cerca de 50% dos impostos municipais e elevados tributos estaduais e federais, também foi discutida durante o encontro. O gerente jurídico da Portobello se comprometeu, em nome da empresa, a apresentar um projeto de engenharia para retomar o acesso pelo viaduto de forma temporária.

“Pelo menos enquanto não é construído o elevado, gostaríamos de reverter o trânsito na marginal de acesso à empresa para dar mais segurança aos nossos usuários e evitar o transtorno que existe de um longo caminho percorrido até o primeiro retorno, que fica no Município vizinho”, diz Edson Stringari.

Contratos assinados

Além das obras de acesso à cidade, o prefeito também já recebeu da ANTT e da Autopista a autorização formal para a reversão do trânsito em parte da marginal que liga o Centro à comunidade Imacol e também, para a realização das obras sob a ponte de Tijucas que fará a inversão do trânsito que hoje liga os bairros Centro e Praça.

“Com esta obra que o município se comprometeu a realizar, vamos eliminar as filas no trajeto que liga o bairro Praça ao Centro, conforme já aprovado pela própria comunidade em audiência pública realizada no início deste ano”, diz o prefeito.

A partir da assinatura dos Contratos de Permissão Especial de Uso (CPEU), a prefeitura está autorizada a realizar as obras sob a ponte, incluindo novo retorno em outro pilar da ponte e ainda, ajardinamento do vão central que atualmente está fechado por barreiras rígidas de concreto.

Rudnei desabafa

Com os pouco mais de quatro minutos a que teve direito de usar a tribuna da ALESC, visando se reportar sobre o pedido protocolado pelo professor Elói, o vereador Rudnei Amorim descascou o abacaxi que trazia entalado na garganta:

“Eu não consigo entender a postura da Autopista Litoral Sul, muito menos da ANTT, que deveria defender os interesses do povo e não da concessionária. Já foram realizadas mais de 10 reuniões para corrigir os equívocos resultantes das mudanças no trânsito de entrada e saída na cidade, hoje quem vem de fora não sabe o que fazer, a Autopista promete, a ANTT garante, e nada acontece. Chega de enrolação, nós queremos e precisamos de solução”, argumentou o vereador Rudnei.

Confira abaixo na íntegra o seu discurso na Assembleia Legislativa: