15202912083430.png

OBITUÁRIO

Morre aos 108 anos a moradora mais velha de São João Batista

Faleceu neste domingo (09), aos 108 anos, Bernardina Angeli Fagundes. Dona Dinha era a mulher mais velha de São João Batista, e nos últimos anos ganhou notoriedade nacional por sua vitalidade e por mesmo com a idade avançada ainda trabalhar.

Nascida em 12 de abril de 1913, fruto da união matrimonial contraída aos 13 anos por Maria Augusta Pera com o imigrante italiano Agostino Fidelle Angeli, Bernardina Angeli Fagundes, encantava por sua forma de viver.

O pai de dona Dinha chegou ao Brasil com 19 anos, juntamente com o irmão Domênico Fidelle Angeli, o bisavô do agricultor e memorialista da Colônia Nova Itália, José Sardo, o Saulo.

Dona Dinha, a mais nova entre 10 irmãos, ficou órfã de pai aos oito anos. Sempre residiu na Colônia Nova Itália, em terras que pertenceram aos seus avós maternos, os imigrantes italianos Maria Gambetta e Giuseppe Pera.

Força de vontade e trabalho marcaram a centenária história de vida de Bernardina. Mesmo com a idade avançada ela ainda não parou de trabalhar. Junto da filha Terezinha confeccionava estopas, tecidos sobrepostos costurados e utilizados para limpeza.

Bernardina recorda que, anteriormente, trabalha na roça, "onde eu plantava milho, feijão, mandioca". E com um sorriso estampado no rosto, lembrava que "meu pai morreu, casei, fiquei viúva aos 37 e tinha as crianças para alimentar. O sogro mandou dar os filhos, porque dizia que eu não dava conta de cria-los. Fiquei até 80 anos na lavoura e estão todos criados".

Emprego aos 104 anos

Após 15 anos de trabalho fiel para uma facção da fábrica de estopas de Porto Belo, com o falecimento do proprietário da empresa, dona Dinha ficou desempregada.

A filha Terezinha Angeli Fagundes, que mora com a mãe e forma dupla na produção de estopas, explica que "ela chorou muito porque estava desempregada. Não pelo financeiro, mas porque gosta de fazer, de não ficar parada".

Já a centenária dona Dinha esclareceu que "eu preciso trabalhar porque é bom. Nem presta ficar desocupada. Quando tenho serviço, isso faz o tempo passar. Eu também faço meus crochês, tenho minha aposentadoria, mas queria alguma coisinha, assim, para mexer nos paninhos. Como gosto muito de trabalhar, fiquei triste quando paramos de receber as estopas e fiquei desempregada".

O então secretário de Desenvolvimento Econômico de São João Batista e amigo da família, Plácido Vargas, postou uma fotografia de dona Dinha e contou a razão de sua tristeza, o que causou comoção nas redes sociais.

A notícia de que Bernardina estava procurando emprego aos 104 anos logo chegou à família do antigo patrão, que correu para explicar que a parada foi temporária e que ela estava recontratada. "Quando eu a visitei ela estava muito triste. Queria apenas continuar trabalhando e quando postei a foto dela, os filhos do ex-patrão ficaram sabendo. E foi só alegria quando eles voltaram a entregar os retalhos para a produção das estopas", comentou Plácido.

Novamente empregada e disciplinada, dona Dinha é uma pessoa que não deixa o trabalho para depois. Vai montando as estopas e nem lembra de contar quantas faz em um dia. Quando o pessoal chega para buscar a produção, a meta já foi batida.

Com informações de Radio Super FM.

AVISO: Espaço livre! Para comentários realizados através de terceiros, o jornal se baseia na Lei 2.126/2011 (Marco Civíl da Internet) e dá garantia a liberdade de expressão, comunicação e manifestação de pensamento, nos termos da Constituição. O jornal não se responsabiliza por comentários de terceiros

Continue lendo






ULTIMAS NOTÍCIAS

16121836959090.png
Capa
EDIÇÃO IMPRESSA
Ler agora!
jr.png

| | insta

Quem somos | Mapa do site | Webmail | Painel de controle

Copyright © 2017 Jornal Razão - Tijucas SC
Todos os direitos reservados.


Whatsapp
(48) 8453-0809


EDIÇÃO IMPRESSA

Sexta, 01 de setembro

Capa