15202912083430.png

POLÍCIA

Torturador é preso após mãe da vítima denunciá-lo, em Blumenau

Foto: Divulgação/DEAB/SC

A ação persistente de uma mãe e da polícia pode ter ajudado a salvar a vida de uma mulher de 30 anos, em Blumenau. A senhora procurou ajuda na delegacia para relatar que a filha estava sendo espancada reiteradamente pelo namorado e temia que o caso tivesse um desfecho ainda pior.

A Polícia Civil montou um esquema para tirar a vítima da supervisão do agressor e entender o que estava acontecendo. Os relatos chocaram até mesmo os investigadores.

O caso veio à tona no dia 6 de janeiro, quando a mãe da vítima procurou a Delegacia de Proteção à Mulher e mostrou ao delegado Felipe Blos Orsi fotografias da filha com várias lesões pelo corpo. Ela contou que vítima não queria procurar a polícia, então decidiu agir por conta própria.

Preocupada com o que viu nas imagens, a polícia foi atrás da vítima. Como era monitorada o dia todo pelo namorado, que estava no apartamento dela e não trabalha, foi preciso um esquema para levar a mulher à delegacia sem levantar suspeitas.

Durante a conversa com o delegado, a mulher negou as agressões, mas com base nas fotos a polícia decidiu abrir o inquérito.

Durante o sábado (8), quando se despedia do pai que veio do Paraná para visitá-la, a vítima conseguiu tirar todos da sala e pediu ajuda. Segundo Orsi, foi aí que a mulher contou que o namorado estava ameaçando fugir com o filho dela e matar os demais familiares caso a situação chegasse ao conhecimento das autoridades.

- Ela abraçou o pai e pediu por ajuda. Disse que não aguentava mais, não sabia o que fazer, que o homem estava ameaçando a família inteira, inclusive a criança. Ele dizia que não adiantava procurar a polícia, que ele tinha contatos e era protegido. Então ela estava numa situação de pânico - relata Orsi.

A mãe voltou à delegacia na segunda-feira (10) e pediu intervenção mais uma vez. Mesmo sem a queixa formal da vítima, a Polícia Civil conseguiu uma ordem de prisão contra o homem de 26 anos e também um mandado de busca e apreensão na casa onde em tese ele mora junto com a mãe.

Numa operação com o apoio da Divisão de Investigação Criminal (DIC), O agressor foi levado ao Presídio Regional de Blumenau na quarta-feira (12). Ele tem passagens anteriores pela polícia e até uma condenação por violência doméstica.

- O que essa mulher viveu foi situação de tortura intensa por vários dias, e o indivíduo conseguia isolar ela muitos dias depois que cometia as agressões. Ela não conseguia sair, por ele estava controlando os passos dela - conta o delegado.

Segundo o delegado Felipe Blos Orsi, o casal estava namorando há quatro meses e o agressor permanecia a maior parte do tempo no apartamento da vítima, onde mora também o filho dela de dois anos.

A mulher contou que as agressões ocorreram em duas oportunidades. Em uma delas a tortura durou oito horas. Nesse período a vítima era espancada até desmaiar e depois o agressor jogava água no rosto dela para que acordasse e voltasse a ser agredida.

Isso ocorreu na frente da criança.

Além de socos, a mulher foi agredida também com um ventilador e com uma arma. Conforme a polícia, a vítima ainda tem sequelas no rosto por causa das agressões cometidas repentinamente sem qualquer motivo. O filha da vítima também chegou a ser alvo da fúria do homem, que o sufocava com um travesseiro e disse que fugiria do país com o garoto caso a mulher pedisse ajuda.

O delegado é enfático ao ressaltar o papel da rede de apoio às vítimas de violência doméstica. Desde a famílias e pessoas próximas - ao identificar os sinais de violência seja ela física, emocional ou financeira -, até a polícia são fundamentais, com a oferta de amparo e segurança para que ocorra a denúncia e coleta de provas que levem o agressor à prisão.

- Provavelmente se a família não tivesse brigado para enfrentar essa situação, porque o indivíduo é muito perigoso, e nos procurado, pedido ajuda, alguém teria morrido nessa história, ou a mulher ou o menino - frisa.

Disque 100 e Disque 180: canais abertos pelo governo Federal para fazer denúncias de violência doméstica.

Fonte: NSC Total

AVISO: Espaço livre! Para comentários realizados através de terceiros, o jornal se baseia na Lei 2.126/2011 (Marco Civíl da Internet) e dá garantia a liberdade de expressão, comunicação e manifestação de pensamento, nos termos da Constituição. O jornal não se responsabiliza por comentários de terceiros

Continue lendo






ULTIMAS NOTÍCIAS

16121836959090.png
Capa
EDIÇÃO IMPRESSA
Ler agora!
jr.png

| | insta

Quem somos | Mapa do site | Webmail | Painel de controle

Copyright © 2017 Jornal Razão - Tijucas SC
Todos os direitos reservados.


Whatsapp
(48) 8453-0809


EDIÇÃO IMPRESSA

Sexta, 01 de setembro

Capa