Criança de 2 anos morre em hospital superlotado em Florianópolis

Os leitos pediátricos e neonatais estão lotados.

Criança de 2 anos morre em hospital superlotado em Florianópolis Divulgação

Os leitos pediátricos e neonatais estão lotados.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da região em tempo real.

PUBLICIDADE SOSO


Na madrugada da última segunda-feira (11), uma criança dois anos e quatro meses morreu no Hospital Infantil Joana de Gusmão em Florianópolis. O caso vem ganhando repercussão devido as superlotação dos hospitais de Santa Catarina. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) na útima terça-feira (12), que informou que uma investigação será realizada para apurar a conduta do atendimento. 

Há um mês, um bebê de dois meses morreu no mesmo hospital após ter três paradas cardiorrespiratórias. De acordo com a mãe, Samara Ester dos Santos, a paciente ficou dois dias à espera de uma vaga na UTI da unidade. 

PUBLICIDADE

topsul

TV Razão

Conversa Franca com Gean Loureiro
Conversa Franca

Prefeito de Tijucas participa do Conversa Franca

Assista agora!

Nota da Secretaria de Estado da Saúde 

A Secretaria de Estado da Saúde se solidariza com a família da criança que veio a óbito no Hospital Infantil Joana de Gusmão na madrugada de segunda-feira, 11, e informa que a paciente chegou à unidade de saúde em estado demasiadamente agravado, sendo que a equipe prestou todo o atendimento possível.

Por conta da condição clínica, a criança foi conduzida diretamente ao atendimento de sala vermelha e, apesar dos esforços, evoluiu para o óbito rapidamente. A SES ressalta que ela não foi encaminhada ao leito de UTI pois necessitava de cuidados emergenciais e estabilização, o que foi feito pela equipe médica, mas a paciente acabou não resistindo por conta da gravidade do quadro.

Importante ressaltar que, quando um paciente em estado grave chega à unidade hospitalar, o primeiro atendimento é realizado na emergência até a sua estabilização. Somente após esse procedimento é realizado o encaminhamento para o leito indicado.


Na madrugada da última segunda-feira (11), uma criança dois anos e quatro meses morreu no Hospital Infantil Joana de Gusmão em Florianópolis. O caso vem ganhando repercussão devido as superlotação dos hospitais de Santa Catarina. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) na útima terça-feira (12), que informou que uma investigação será realizada para apurar a conduta do atendimento. 

TV Razão

Prefeito de Tijucas participa do Conversa Franca
Conversa Franca

Em pauta, saúde de Tijucas, destino do Hospital São José, obras na cidade e os bastidores da Administração Municipal. Assista!

Assista agora!

Há um mês, um bebê de dois meses morreu no mesmo hospital após ter três paradas cardiorrespiratórias. De acordo com a mãe, Samara Ester dos Santos, a paciente ficou dois dias à espera de uma vaga na UTI da unidade. 

Nota da Secretaria de Estado da Saúde 

A Secretaria de Estado da Saúde se solidariza com a família da criança que veio a óbito no Hospital Infantil Joana de Gusmão na madrugada de segunda-feira, 11, e informa que a paciente chegou à unidade de saúde em estado demasiadamente agravado, sendo que a equipe prestou todo o atendimento possível.

Por conta da condição clínica, a criança foi conduzida diretamente ao atendimento de sala vermelha e, apesar dos esforços, evoluiu para o óbito rapidamente. A SES ressalta que ela não foi encaminhada ao leito de UTI pois necessitava de cuidados emergenciais e estabilização, o que foi feito pela equipe médica, mas a paciente acabou não resistindo por conta da gravidade do quadro.

Importante ressaltar que, quando um paciente em estado grave chega à unidade hospitalar, o primeiro atendimento é realizado na emergência até a sua estabilização. Somente após esse procedimento é realizado o encaminhamento para o leito indicado.

Siga-nos no Google News

CLIQUE PARA CONTINUAR A LEITURA

Trevisul 02
Trevisul 02

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

inova