Criador do chip corporal catarinense revela como funciona o implante

O chip, que causou espanto na população, traz informações importantes para a saúde

Criador do chip corporal catarinense revela como funciona o implante Paulo Monteiro / Divulgação

O chip, que causou espanto na população, traz informações importantes para a saúde

Participe do grupo e receba as principais notícias
da região em tempo real.

Continua depois da publicidade

O autor da ideia de criar um sistema que utiliza também um chip corporal que traz informações importantes e que ajudam os socorristas a salvar vidas é de Paulo Monteiro.  Ele é presidente da ONG BIO, de São José, na Grande Florianópolis. Segundo ele, a implantação é rápida e indolor.

O sistema funciona com um aplicativo que deverá ser lançado em cerca de 30 dias. Nesta plataforma o usuário vai colocar as suas informações de saúde: se tem doenças crônicas e  alergia a medicamentos, por exemplo. O propósito da iniciativa é fazer com que socorristas, médicos e cidadãos, em contato com pessoas em uma emergência de saúde ou acidente, tenham informações básicas que sirvam para preservar a vida da vítima.

O usuário terá controle completo de quem poderá acessar as informações e em quais camadas. Ele pode tornar pública a informação de que é diabético ou alérgico à penicilina, mas caso seja pessoa que conviva com HIV, deixar essa informação caso queira,  restrita aos profissionais de saúde que lhe atenderem.

O chip corporal é um dos meios para se ter acesso às informações no aplicativo, mas o QR code na carteira ou qualquer item com NFC (comunicação de campo próximo) por anel, pulseira ou botton,  pode trazer todos os dados por leitura de aproximação.

O usuário não paga pelo serviço.

Fonte: NSC Total 

Siga-nos no Google News

CLIQUE PARA CONTINUAR A LEITURA