Litro de leite pode chegar a 7 reais em SC

O consumidor do leite longa vida pode preparar o bolso

Litro de leite pode chegar a 7 reais em SC Reprodução

O consumidor do leite longa vida pode preparar o bolso

Participe do grupo e receba as principais notícias
da região em tempo real.

PUBLICIDADE dosol

O consumidor do leite longa vida pode preparar o bolso. O litro do produto pode chegar aos R$ 7 até o início do próximo mês. A previsão pessimista é do presidente do Sindileite (Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados) de Santa Catarina, Valter Brandalise. Segundo ele, em pequenos mercados pelo Estado esse preço já vem sendo praticado.

Com a aprovação na Assembleia Legislativa, no início do mês passado, do projeto de lei 78/2022, de autoria do Poder Executivo, que manteve o ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) do alimento em 7% até o fim do ano que vem, a expectativa era de uma redução no litro do produto, porém o que se observa é uma crescente alta.

No início de maio ainda era possível comprar o litro por R$ 4,60 em grandes redes de supermercados.

PUBLICIDADE

UVEL 03

TV Razão

Conversa Franca com Gean Loureiro
Conversa Franca

Prefeito de Tijucas participa do Conversa Franca

Assista agora!

“Na época daquela questão tributária, todo mundo falava que o aumento do leite se devia a questão tributária. Eu falei que parte sim era tributário, parte não era, mas era de uma situação que o mundo inteiro está vivendo de um processo inflacionário, esse processo se você ver não é só no leite, é em tudo”, avaliou Brandalise.

Segundo ele, praticamente as cadeias produtivas se desestruturaram uma parte em função da pandemia, a outra parte quando estava se recuperando iniciou a guerra na Ucrânia, o que resultou em uma forte subida do preço.

Levantamento da Faesc (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina) na década de 90 tinham 70 mil produtores de leite e agora em 2022 são 24 mil.

“Se polemizou muito aquela questão do leite, que nós estávamos tentando resolver era um problema interno, de desestímulo do produtor. O produtor estava totalmente desestimulado em produzir leite, e infelizmente não conseguimos absolutamente nada. Porque tudo se creditou aumento do leite em função da tributação e já deu para perceber que não foi”, comentou.


Desequilíbrio da oferta e demanda

O presidente do Sindileite sustenta que o efeito da redução do ICMS foi R$ 0,25, nada mais que isso. Portanto, o que se está sendo visto nas gôndolas é um desequilíbrio entre oferta e a demanda.

O produtor de leite nos últimos dois anos sofreu com grandes custos como o aumento do preço do milho e da soja. “E o preço do leite não acompanhou, o produtor fez o que? Tirou o pé não produziu mais, não produzindo mais começou a faltar leite”, justificou Brandalise.

Em maio, as indústrias pagaram o litro do leite que sai do produtor, mais o frete do primeiro percurso, entre R$ 2,85 e R$ 2,90. “Esse é o preço que a indústria estava adquirindo em maio. Mês de junho vai subir de novo. Eu acredito aí que vai chegar acima de R$ 3”, disse.

Já o leite chamado spot, que as indústrias vendem entre elas, fechou essa segunda quinzena de junho na média de R$ 4,15.

Não se sabe por quanto tempo essa alta deve durar, mas a previsão é bem pessimista por parte da indústria leiteira. “Você vai chegar ao cúmulo de ver leite a R$ 7 logo, logo”, avisou Brandalise.

“Eu não estou dizendo que as grandes redes, que têm uma capacidade de barganha maior, mas esses mercados com menor barganha, R$ 6 já é uma realidade”, emendou.

O custo do leite para o produtor, segundo os dados da Epagri (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina) está entre R$ 2,20 e R$ 2,30. Após o processo de industrialização até chegar aos mercados são mais R$ 1,50, ou seja, um total de R$ 3,70.


Supermercados reclamam das indústrias

O presidente da Acats (Associação Catarinense de Supermercados), Francisco Crestani, refutou qualquer responsabilidade do setor supermercadista quanto à alta do preço do leite longa vida e responsabilizou a indústria leiteria pela alta.

“Vários supermercados baixaram aqueles 10% (referente ao ICMS) que tinha, porque o estoque que tinha em casa também baixou o próprio ICMS para nós, mas a indústria não baixou o preço, ela manteve o mesmo preço que estava nos vendendo antes”, reclamou.

Segundo Crestani, o setor supermercadista pagava em torno de R$ 3,40 e R$ 3,50 o litro do leite e esta semana está acima de R$ 5. “Então no ponto de venda o leite vai passar de R$ 6 o litro”, afirmou, reforçando a previsão da indústria leiteira.

Procurada, a Secretaria de Estado da Fazenda esclareceu que o ICMS do leite longa vida retornou para 7% em maio, após a votação na Alesc do projeto enviado pelo Poder Executivo. Com isso, o produto voltou a fazer parte da cesta básica, cuja alíquota é de 7%.

Fonte: ND+

O consumidor do leite longa vida pode preparar o bolso. O litro do produto pode chegar aos R$ 7 até o início do próximo mês. A previsão pessimista é do presidente do Sindileite (Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados) de Santa Catarina, Valter Brandalise. Segundo ele, em pequenos mercados pelo Estado esse preço já vem sendo praticado.

Com a aprovação na Assembleia Legislativa, no início do mês passado, do projeto de lei 78/2022, de autoria do Poder Executivo, que manteve o ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) do alimento em 7% até o fim do ano que vem, a expectativa era de uma redução no litro do produto, porém o que se observa é uma crescente alta.

TV Razão

Prefeito de Tijucas participa do Conversa Franca
Conversa Franca

Em pauta, saúde de Tijucas, destino do Hospital São José, obras na cidade e os bastidores da Administração Municipal. Assista!

Assista agora!

No início de maio ainda era possível comprar o litro por R$ 4,60 em grandes redes de supermercados.

“Na época daquela questão tributária, todo mundo falava que o aumento do leite se devia a questão tributária. Eu falei que parte sim era tributário, parte não era, mas era de uma situação que o mundo inteiro está vivendo de um processo inflacionário, esse processo se você ver não é só no leite, é em tudo”, avaliou Brandalise.

Segundo ele, praticamente as cadeias produtivas se desestruturaram uma parte em função da pandemia, a outra parte quando estava se recuperando iniciou a guerra na Ucrânia, o que resultou em uma forte subida do preço.

Levantamento da Faesc (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina) na década de 90 tinham 70 mil produtores de leite e agora em 2022 são 24 mil.

“Se polemizou muito aquela questão do leite, que nós estávamos tentando resolver era um problema interno, de desestímulo do produtor. O produtor estava totalmente desestimulado em produzir leite, e infelizmente não conseguimos absolutamente nada. Porque tudo se creditou aumento do leite em função da tributação e já deu para perceber que não foi”, comentou.


Desequilíbrio da oferta e demanda

O presidente do Sindileite sustenta que o efeito da redução do ICMS foi R$ 0,25, nada mais que isso. Portanto, o que se está sendo visto nas gôndolas é um desequilíbrio entre oferta e a demanda.

O produtor de leite nos últimos dois anos sofreu com grandes custos como o aumento do preço do milho e da soja. “E o preço do leite não acompanhou, o produtor fez o que? Tirou o pé não produziu mais, não produzindo mais começou a faltar leite”, justificou Brandalise.

Em maio, as indústrias pagaram o litro do leite que sai do produtor, mais o frete do primeiro percurso, entre R$ 2,85 e R$ 2,90. “Esse é o preço que a indústria estava adquirindo em maio. Mês de junho vai subir de novo. Eu acredito aí que vai chegar acima de R$ 3”, disse.

Já o leite chamado spot, que as indústrias vendem entre elas, fechou essa segunda quinzena de junho na média de R$ 4,15.

Não se sabe por quanto tempo essa alta deve durar, mas a previsão é bem pessimista por parte da indústria leiteira. “Você vai chegar ao cúmulo de ver leite a R$ 7 logo, logo”, avisou Brandalise.

“Eu não estou dizendo que as grandes redes, que têm uma capacidade de barganha maior, mas esses mercados com menor barganha, R$ 6 já é uma realidade”, emendou.

O custo do leite para o produtor, segundo os dados da Epagri (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina) está entre R$ 2,20 e R$ 2,30. Após o processo de industrialização até chegar aos mercados são mais R$ 1,50, ou seja, um total de R$ 3,70.


Supermercados reclamam das indústrias

O presidente da Acats (Associação Catarinense de Supermercados), Francisco Crestani, refutou qualquer responsabilidade do setor supermercadista quanto à alta do preço do leite longa vida e responsabilizou a indústria leiteria pela alta.

“Vários supermercados baixaram aqueles 10% (referente ao ICMS) que tinha, porque o estoque que tinha em casa também baixou o próprio ICMS para nós, mas a indústria não baixou o preço, ela manteve o mesmo preço que estava nos vendendo antes”, reclamou.

Segundo Crestani, o setor supermercadista pagava em torno de R$ 3,40 e R$ 3,50 o litro do leite e esta semana está acima de R$ 5. “Então no ponto de venda o leite vai passar de R$ 6 o litro”, afirmou, reforçando a previsão da indústria leiteira.

Procurada, a Secretaria de Estado da Fazenda esclareceu que o ICMS do leite longa vida retornou para 7% em maio, após a votação na Alesc do projeto enviado pelo Poder Executivo. Com isso, o produto voltou a fazer parte da cesta básica, cuja alíquota é de 7%.

Fonte: ND+

Siga-nos no Google News

CLIQUE PARA CONTINUAR A LEITURA

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Scopel Salas