Dono de creche de Itapema, estuprador é condenado a 49 anos de prisão

"Tio Bruno", como era conhecido o empresário Bruno Kuster, tinha 25 anos quando foi preso. Ele abusou sexualmente de crianças entre 4 e 7 anos na creche particular que possuía em Itapema

Dono de creche de Itapema, estuprador é condenado a 49 anos de prisão Reprodução / Arquivo

"Tio Bruno", como era conhecido o empresário Bruno Kuster, tinha 25 anos quando foi preso. Ele abusou sexualmente de crianças entre 4 e 7 anos na creche particular que possuía em Itapema

Participe do grupo e receba as principais notícias
da região em tempo real.

PUBLICIDADE Mais Net 01

O diretor de uma creche de Itapema, preso em maio do ano passado suspeito de abusar de crianças, foi condenado a 49 anos de reclusão. Ele foi sentenciado pelo crime de estupro de vulnerável, de forma continuada, contra três crianças com idade entre 4 anos e 7 anos. As informações são do Jornal O Município. 

De acordo com a denúncia do Ministério Público de Santa Catarina, os fatos ocorreram entre o período de setembro de 2020 a maio de 2021 dentro do estabelecimento em que o denunciado atuava na condição de diretor.

O homem teria praticado inúmeros atos libidinosos diversos da conjunção carnal, valendo-se do contato cotidiano e da relação de confiança estabelecida do espaço escolar. Tais atos, eram tratados como “brincadeiras” e “segredos” entre ele e as crianças.

PUBLICIDADE

uvel

TV Razão

Em pauta, saúde de Tijucas, destino do Hospital São José, obras na cidade e os bastidores da Administração Municipal. Assista!
Conversa Franca

Em pauta, saúde de Tijucas, destino do Hospital São José, obras na cidade e os bastidores da Administração Municipal. Assista!

Assista Agora

Ao aplicar a pena, o juiz Marcelo Trevisan Tambosi destaca que as circunstâncias e as consequências são mais graves devido aos transtornos psicológicos causados nas vítimas e, igualmente, em suas genitoras, que diária e diretamente estão vivenciando os traumas sofridos por seus filhos desde que vieram à tona as notícias de abusos cometidos pelo réu.

“É de se imaginar o trauma vivido pelos pais que, enquanto acreditavam que seus filhos estava sendo bem cuidados e protegidos, eram agredidos sexualmente pelo réu, cujos traumas poderão perdurar pelo resto da vida”, observa o magistrado.

O homem que respondeu ao processo preso preventivamente, não poderá recorrer da decisão em liberdade. A decisão de Primeiro Grau, prolatada nesta quinta-feira, 14, é passível de recurso. Os autos tramitam em segredo de justiça.


O diretor de uma creche de Itapema, preso em maio do ano passado suspeito de abusar de crianças, foi condenado a 49 anos de reclusão. Ele foi sentenciado pelo crime de estupro de vulnerável, de forma continuada, contra três crianças com idade entre 4 anos e 7 anos. As informações são do Jornal O Município. 

De acordo com a denúncia do Ministério Público de Santa Catarina, os fatos ocorreram entre o período de setembro de 2020 a maio de 2021 dentro do estabelecimento em que o denunciado atuava na condição de diretor.

TV Razão

Em pauta, saúde de Tijucas, destino do Hospital São José, obras na cidade e os bastidores da Administração Municipal. Assista!
Conversa Franca

Em pauta, saúde de Tijucas, destino do Hospital São José, obras na cidade e os bastidores da Administração Municipal. Assista!

Assista Agora

O homem teria praticado inúmeros atos libidinosos diversos da conjunção carnal, valendo-se do contato cotidiano e da relação de confiança estabelecida do espaço escolar. Tais atos, eram tratados como “brincadeiras” e “segredos” entre ele e as crianças.

Ao aplicar a pena, o juiz Marcelo Trevisan Tambosi destaca que as circunstâncias e as consequências são mais graves devido aos transtornos psicológicos causados nas vítimas e, igualmente, em suas genitoras, que diária e diretamente estão vivenciando os traumas sofridos por seus filhos desde que vieram à tona as notícias de abusos cometidos pelo réu.

“É de se imaginar o trauma vivido pelos pais que, enquanto acreditavam que seus filhos estava sendo bem cuidados e protegidos, eram agredidos sexualmente pelo réu, cujos traumas poderão perdurar pelo resto da vida”, observa o magistrado.

O homem que respondeu ao processo preso preventivamente, não poderá recorrer da decisão em liberdade. A decisão de Primeiro Grau, prolatada nesta quinta-feira, 14, é passível de recurso. Os autos tramitam em segredo de justiça.


Siga-nos no Google News

CLIQUE PARA CONTINUAR A LEITURA

Trevisul 02
Trevisul 02

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ALLIANCE 300X600