Tijucas tinha 120 veleiros em sua orgulhosa marinha mercante

Tijucas tinha 120 veleiros em sua orgulhosa marinha mercante Acervo / Jornal Razão

Participe do grupo e receba as principais notícias
da região em tempo real.

PUBLICIDADE mg tec

Quando os Europeus chegaram ao Vale do Rio Tijucas encontraram apenas o rio, muitas lagoas, extensos bancos de areia, muitos animais silvestres e exuberantes florestas. Não havia ruas, apenas as trilhas indígenas, as picadas feitas por animais e o traçado quadriculado onde é hoje o bairro da Praça, formado por três longas ruas no sentido Sul-Norte, iniciando às margens do Rio Tijucas, e entrecortadas pelo projeto de várias ruas no sentido perpendicular (Leste-Oeste). O governo da província tinha planejado o centro do futuro vilarejo antes de iniciar a sua povoação.

O Rio Tijucas era a principal vértebra do futuro vilarejo. Além da água, peixes e condições para o desenvolvimento da navegação, ao longo dos milênios depositou lama sobre as extensas planícies tijuquenses, tornando muito férteis essas terras.

Assim, os primeiros colonizadores tinham peixe, caça e terras apropriadas para cultivar e sustentar suas famílias. A madeira para a construção das casas e dos móveis, bem como para fabricar embarcações, carroças, carros de bois, engenhos e outros utensílios, também estavam ao alcance das mãos. A carência de tijolos e telhas foi logo suprimida pela argila do subsolo tijuquense.

PUBLICIDADE

iPet

TV Razão

Conversa Franca com Gean Loureiro
Conversa Franca

Prefeito de Tijucas participa do Conversa Franca

Assista agora!

As riquezas naturais facilitaram o início da vida no novo continente para as famílias que vinham da Europa, mas o espírito mercantilista dos imigrantes logo vislumbrou a chance de começar a ganhar dinheiro com o extrativismo e a produção agrícola.

Hoje é até intrigante entender como aquela gente conseguiu superar tantas adversidades. As embarcações eram literalmente feitas a facão. Cortavam as árvores a machado e as traziam até a beira dos rios em carros de bois, onde eram transformadas em balsas amarradas com um cipó chamado imbira.

Tempos de ouro

Com o passar do tempo foram construídos engenhos usando-se a força da água das cachoeiras para movimentar as cerras e transformar as toras em tábuas, também carregadas por bois ou pela água dos riachos até a beira do Tijucas Grande, onde foram implantadas as instalações para montar e botar na água as balsas de toras ou de tábuas. Esses locais receberam nomes como Porto da Itinga, Porto da Galera, Porto do Moura e Porto de Morretes, este último onde está hoje o bairro Pernambuco.

Nos anos áureos a Marinha Mercante Tijuquense chegou a ter mais de 120 grandes veleiros transportando madeira, açúcar, arroz, café, farinha de mandioca, fubá, feijão, melado, cachaça, mel, banha, linguiça, peixe seco e até matéria prima para a fabricação de tintas. A cidade passou a viver um período glorioso, de muita riqueza.

Este artigo integra o especial "Tijucas: passado, presente e futuro", do Jornal Razão. Clique aqui e saiba mais. 


Quando os Europeus chegaram ao Vale do Rio Tijucas encontraram apenas o rio, muitas lagoas, extensos bancos de areia, muitos animais silvestres e exuberantes florestas. Não havia ruas, apenas as trilhas indígenas, as picadas feitas por animais e o traçado quadriculado onde é hoje o bairro da Praça, formado por três longas ruas no sentido Sul-Norte, iniciando às margens do Rio Tijucas, e entrecortadas pelo projeto de várias ruas no sentido perpendicular (Leste-Oeste). O governo da província tinha planejado o centro do futuro vilarejo antes de iniciar a sua povoação.

O Rio Tijucas era a principal vértebra do futuro vilarejo. Além da água, peixes e condições para o desenvolvimento da navegação, ao longo dos milênios depositou lama sobre as extensas planícies tijuquenses, tornando muito férteis essas terras.

TV Razão

Prefeito de Tijucas participa do Conversa Franca
Conversa Franca

Em pauta, saúde de Tijucas, destino do Hospital São José, obras na cidade e os bastidores da Administração Municipal. Assista!

Assista agora!

Assim, os primeiros colonizadores tinham peixe, caça e terras apropriadas para cultivar e sustentar suas famílias. A madeira para a construção das casas e dos móveis, bem como para fabricar embarcações, carroças, carros de bois, engenhos e outros utensílios, também estavam ao alcance das mãos. A carência de tijolos e telhas foi logo suprimida pela argila do subsolo tijuquense.

As riquezas naturais facilitaram o início da vida no novo continente para as famílias que vinham da Europa, mas o espírito mercantilista dos imigrantes logo vislumbrou a chance de começar a ganhar dinheiro com o extrativismo e a produção agrícola.

Hoje é até intrigante entender como aquela gente conseguiu superar tantas adversidades. As embarcações eram literalmente feitas a facão. Cortavam as árvores a machado e as traziam até a beira dos rios em carros de bois, onde eram transformadas em balsas amarradas com um cipó chamado imbira.

Tempos de ouro

Com o passar do tempo foram construídos engenhos usando-se a força da água das cachoeiras para movimentar as cerras e transformar as toras em tábuas, também carregadas por bois ou pela água dos riachos até a beira do Tijucas Grande, onde foram implantadas as instalações para montar e botar na água as balsas de toras ou de tábuas. Esses locais receberam nomes como Porto da Itinga, Porto da Galera, Porto do Moura e Porto de Morretes, este último onde está hoje o bairro Pernambuco.

Nos anos áureos a Marinha Mercante Tijuquense chegou a ter mais de 120 grandes veleiros transportando madeira, açúcar, arroz, café, farinha de mandioca, fubá, feijão, melado, cachaça, mel, banha, linguiça, peixe seco e até matéria prima para a fabricação de tintas. A cidade passou a viver um período glorioso, de muita riqueza.

Este artigo integra o especial "Tijucas: passado, presente e futuro", do Jornal Razão. Clique aqui e saiba mais. 


Siga-nos no Google News

CLIQUE PARA CONTINUAR A LEITURA

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Scopel Salas