Operação investiga advogados faccionados e presos em Santa Catarina

GAECO e GEFAC executam mandados em unidades prisionais e residências ligadas a advogados envolvidos com facções criminosas.

Operação investiga advogados faccionados e presos em Santa Catarina

Reprodução

No WhatsApp do JR tem notícia toda hora! Clique aqui para acessar.

Na manhã desta terça-feira (25), o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO), em apoio à investigação conduzida pela 13ª Promotoria de Justiça de Joinville e pelo Grupo Especial para Enfrentamento a Facções Criminosas (GEFAC), deflagrou a operação “Sob Encomenda 4”. 

A operação tem como objetivo apurar crimes previstos na Lei de Organizações Criminosas, praticados por advogados faccionados e por presos reclusos no sistema prisional catarinense e de outros estados.

Foram cumpridos 21 mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva, expedidos pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Joinville. Ao todo, 17 pessoas são alvos dessa fase da operação, incluindo três advogados faccionados e um ex-agente prisional temporário. As buscas foram realizadas em diferentes unidades prisionais do estado, incluindo a Penitenciária Industrial de Joinville, o Presídio Regional de Joinville (Unidade Masculina e Feminina) e o Presídio Regional de Blumenau, além de locais em liberdade.


A ação contou com a colaboração do GAECO, GEFAC, Polícias Militar, Civil, Penal, Rodoviária Federal, e Bombeiro Militar de Santa Catarina. Também houve apoio do GAECO MPSP e das Polícias Civil e Militar de São Paulo para o cumprimento de ordens judiciais na cidade de Praia Grande (SP).

A operação é um desdobramento da “Sob Encomenda I”, realizada em agosto de 2021, que visava interromper a “sintonia” entre advogados e faccionados internos do sistema prisional em prol de uma organização criminosa. A investigação segue em segredo de justiça.

O GAECO é uma força-tarefa composta pelo Ministério Público, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Penal, Receita Estadual e Corpo de Bombeiros Militar, destinada à identificação, prevenção e repressão às organizações criminosas. Já o GEFAC é um grupo especializado do Ministério Público focado no enfrentamento de facções criminosas e crimes praticados por seus integrantes.