Lorran Barentin

Herdeiro da Lenha na Fogueira e diretor do Jornal Razão. "Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade".

A covarde tentativa de associar as manifestações em SC com o nazismo

A quem interessa atribuir ao nazismo o movimento catarinense contra a eleição de Lula?

A covarde tentativa de associar as manifestações em SC com o nazismo

Numa clara tentativa de desacreditar os cidadãos catarinenses que lutam contra a tomada do poder por parte do PT, movimentos estão utilizando as redes sociais e órgãos de mídia tendenciosos para tentar construir uma narrativa de que os protestos contra Lula são orquestrados por grupos nazistas em Santa Catarina.

URGENTE: Gaeco confirma que gesto em manifestação não foi apologia nazista. Clique para ler. 

Tudo começou depois que um vídeo viralizou nas redes sociais mostrando os manifestantes fazendo um gesto de saudação à bandeira. Os relatos atribuem o gesto como sendo uma saudação nazista conhecida como “Sieg Heil” (salve a vitória)”.

Numa breve análise, temos os seguintes fatos:

1- Os protestos em SC pedem por intervenção militar / intervenção federal do exército. 

2- O vídeo em questão foi gravado em frente a um quartel militar.

3- No momento do ato, ouvia-se o hino nacional do Brasil.

4- Justamente para mostrar às forças armadas o apelo desta parcela da população, as manifestações desta quarta-feira se concentraram em batalhões militares. 

Ou seja, ao que tudo indica, pessoas que estão claramente e abertamente pedindo que o exército brasileiro intervenha por conta do resultado das eleições resolveram imitar uma saudação militar que existe na tradição portuguesa desde o século XVIII enquanto ouviam o hino do Brasil e, automaticamente, por mera semelhança com um gesto de décadas atrás, tornaram-se nazistas.

Siga o Jornal Razão no Twitter! Clique aqui para acessar. 

De maneira extremamente tendenciosa, a narrativa tenta desconstruir a verdade: não se trata de nazistas nas ruas, rodovias e avenidas de Santa Catarina. A realidade é que essas pessoas são pais, mães, empresários, empreendedores, trabalhadores e cidadãos com um sentimento em comum. Eles simplesmente não aceitam que, nas palavras de Geraldo Alckmin, o “ladrão volte à cena do crime”.

Atos semelhantes ocorrem neste exato momento em todo o estado e em todo o Brasil. Mas é curioso o fato de que São Miguel do Oeste é a mesma cidade alvo de uma operação contra células neonazistas em SC, difundida de forma exclusiva pela Rede Globo no Fantástico.

Siga o Jornal Razão no Jornal Razão! Clique aqui para acessar. 

Coincidentemente, foi justamente o vídeo gravado em São Miguel do Oeste que foi difundido pela mídia que em toda a campanha de esforçou para defender Luiz Inácio Lula da Silva.

Não sou nenhum fanático. Não sou bolsonarista, muito menos lulista. Direita e esquerda são movimentos antagônicos, com ideais muito distintos. O que não acho justo é desacreditar milhares de cidadãos que estão literalmente lutando, à sua maneira e segundo seus princípios, por um Brasil melhor.

Não concordam com o movimento e querem desacreditar aquelas pessoas? Ok. Mas façam de forma ética, justa e respeitosa. Taxar de nazista cidadãos que muitas vezes nem sabem que um gesto semelhante era utilizado à época é uma desonestidade sem tamanho.